Maracaçumé é uma cidade e um município da microrregião de Gurupi, mesorregião do Oeste Maranhense, estado do Maranhão, Brasil. O município tem 19.155 mil habitantes (Censo 2010) e 448 km². Foi criado pela Lei Nº 6.163, de 10 de novembro de 1994, o município de Maracaçumé, com sede no Povoado Maracaçumé, a ser desmembrado do município de Godofredo Viana, subordinado à Comarca de Cantanhedeteste.

O município de Maracaçumé limita-se ao Norte com os municípios de Junco do Maranhão e Godofredo Viana; a Leste com o município de Governador Nunes Freire; a Oeste com o município de junco do Maranhão e ao Sul com o município de Centro do Guilherme. Elevado à categoria de município com a denominação de Maracaçume, pela lei estadual nº 6163, de 10-11-1994, desmembrado de Godofredo Viana. Sede no atual distrito de Maracaçumé ex-povoado. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-10-1997. Em divisão territorial datada de 15-07-1997, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

O nome Maracaçumé, segundo lendas da região, tem três origens. A primeira, é de que um caçador, já bêbado, teria dito para sua esposa: Mara caça o mé! A seguda, de origem indígena, teria sido em razão da travessia do rio, feita pelos indios. Um certo indio atravessava o rio e, de repente, o maracá sumiu no rio, ao que ele falou: Maraca sumiu! Outra versão, também de origem indígena, diz que o nome surgiu quando os seus companheiros lhe perguntaram, cadê o maracá Sumé? Daí, o nome ter três origens, sendo as indígenas mais aceita pelos moradores da região! A região que se estende desde o rio Gurupi até o vale do Turiaçu, abrangendo todo o Maracaçumé, desde os fins do século XVIII, concentrou inúmeros quilombos. Por isso, não se pode estabelecer uma data fixa de criação ou de origem, pois “existiram quilombos antes e depois da Independência, formados no decorrer dos anos, em Viana, Pinheiro, Alcântara, Guimarães, Maracaçumé e outros lugares” como afirma Carlos de Lima em História do Maranhão A Colônia. Segundo Eduardo Olímpio Machado, em 1855 criou-se a Colônia Maracaçumé, administrada pela Companhia Maranhense de Mineração, a qual contratou cerca de 40 chineses para a exploração das minas. Indios Os Ka’apor vivem no norte do Maranhão.

Suas terras fazem limite, ao norte, com o rio Gurupi, ao sul, com os afluentes meridionais do rio Turiaçu, a oeste com o Igarapé do Milho e a leste, com uma linha no sentido noroeste-sudeste quase paralela à rodovia BR-316. Todos os córregos e rios drenam para três grandes rios: Maracaçumé, Turiaçu e Gurupi, que, por sua vez, desaguam diretamente no oceano Atlântico. A altitude máxima é de cerca de 250 metros acima do nível do mar nas regiões montanhosas, onde as cabeceiras do Maracaçumé, Turiaçu e Gurupi estão mais próximas umas das outras. Chove cerca de 2000 a 2500 mm por ano, sendo que a maior parte deste volume cai durante a predominância dos ventos vindos de leste de janeiro a maio. Eles são conhecidos pela história documentada por terem se estabelecido sucessivamente nas bacias do rio Acará (ca. 1810), rio Capim (ca. 1825), rio Guamá (1864), rio Piriá (1875) e rio Maracaçumé (1878).